INTRODUÇÃO

Segundo Merril Tenney, doença é uma condição definida de enfermidade de parte ou de todo o corpo, com um grupo de sintomas característicos. Tenney ainda menciona cerca de 40 doenças e sintomas no decorrer de todas as Escrituras.

É pouco provável que os hebreus tenham estado sujeito aos mesmos tipos de doenças típicas do clima semitropical do Oriente Médio hoje, por isso algumas delas são identificáveis nos termos da moderna patologia, outras porém, tem suas descrições vagas, como por exemplo “covo”, “paralisia”, “febre”, que na verdade são sintomas e não a doença propriamente dita, além de tudo isso, alguns dos termos empregados nas traduções são inteiramente errôneos, pois não indicam as enfermidades indicadas pelo original.

Enfermidade na vida do Crente

Enfermidade na vida do Crente

No entanto, as doenças, seja antiga ou moderna, têm feito parte da vida do homem desde o amanhecer da história humana, e estaremos sujeitos à elas enquanto vivermos neste corpo corruptível, porém, a Palavra de Deus garante-nos que um dia, nós os salvos em Jesus Cristo, seremos transformados, receberemos um novo corpo e nunca mais morreremos, conforme está escrito em 1 Co 15.52: “Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados.

Vivemos em uma época onde a Teologia da Prosperidade e a Confissão Positiva, prosperam no meio evangélico, e com isso é comum encontrarmos crentes que se questionam se é possível um cristão verdadeiro, um homem ou uma mulher fiéis à Deus, sofrer enfermidades. No entanto, a Bíblia é clara quanto a este assunto: Sim, é possível, completamente natural.

Mas qual a origem das enfermidades?

A ORIGEM DAS ENFERMIDADES

Diante de tantas especulações sobre as doenças que nos assolam diariamente, vamos explicar de onde eles surgem. A primeira origem das enfermidades é referente à queda do homem, deixando-nos propensos às enfermidades. A segunda origem, provação e a terceira origem de ordem maligna. Vejamos.

A queda e as enfermidades

A queda refere-se àquele evento registrado em Gênesis 3, segundo o qual nossos primeiros pais, Adão e Eva, caíram do estado de integridade no qual Deus os tinha criado; se deu no momento em que eles foram submetidos por sugestão e solicitação na forma de tentação, tendo como instrumento direto desta tentação a serpente (Gn 3.1). A presença e influência de uma serpente literal não pode ser negada, sendo que por trás da mesma estava a atividade de satanás (Jo 8.44; 2Co 11.3; Ap 12.9).

O foco da tentação era um assalto direto à veracidade e integridade de Deus (Gn 3.4-5). O objetivo era a destruição da integridade do homem pela quebra da confiança do homem na integridade de Deus. A tentação foi a ocasião, e não a causa da queda. Estar sujeito à tentação não é pecaminoso para o tentado, o aceitar e o consentimento, sim, constituem em pecado. Assim foi com os nossos primeiros pais.

Por esta queda deu-se a origem às enfermidades, e segundo Merril Tenney nós “estamos mortos nas transgressões e pecados de Adão, não pela aquisição, mas pela imputação e procriação“.

Já vimos na primeira lição que existiram duas quedas (Veja mais), e as Escrituras ensinam que o pecado é real e pessoal; que se originou na queda de satanás, um ser pessoal, maligno e ativo; e que através da queda de Adão, propagou-se entre a humanidade, que fora criada boa por um Deus totalmente bom.

Stanley Horton explica categoricamente que Efésios 2.3 declara que todos somos “por natureza filhos da ira”. Natureza (phusis) fala da realidade fundamental ou origem de uma coisa. Daí ser corrupto o “conteúdo” de todas as pessoas.

Concluí-se então, que, o mundo físico sofre os efeitos do pecado. A decadência natural do pecado contribui para os problemas da saúde e do meio ambiente.

Existem ainda outras tradições à respeito da queda, como as tradições Persa, Hindu, Grega, Chinesa, Mongólica e Teutônica e Halley, falando sobre estas outras tradições, salienta que a história original do jardim do Éden foi sem dúvida contada por Adão à Matusalém. Matusalém contou-a a Noé, e este, aos respectivos filhos. Nas culturas posteriores, passou por várias modificações.

Provados pelas enfermidades

Estou passando por um problema de enfermidade muito sério, e por vezes me questiono o porque de tanta aflição. Lendo esta lição bíblica da EBD, pude entender que um dos motivos das enfermidades, permitidas pelo Senhor, é um amadurecimento da nossa fé. Falando com um amigo pastor de Igreja, ele me disse algo interessante: “Na vida secular aprendemos a lição para depois fazermos a prova, com Deus é diferente, passamos pela prova, e depois aprendemos a lição“.

Estou passando por esta prova, pois creio em duas coisas:

  1. Aprenderei uma lição gloriosa do Senhor;
  2. Minha fé será aumentada;

E quando olhamos para a Palavra do Senhor, vemos um homem que era “íntegro e reto, temente à Deus e que se desviava do mal”, mas que sofreu absurdamente com várias doenças, seu nome era Jó. A Bíblia diz que satanás apresentou-se diante do Senhor para acusar a Jó dizendo que o mesmo era fiel à Deus pois possuía tudo o que um homem precisava, então o Senhor conhecendo o coração de Jó, permitiu que satanás tocasse em tudo o que era de Jó, menos na sua vida.

Quase todo o enredo sobre o livro de Jó se passa em ciclos de discursos entre Jó e seus amigos, onde os mesmos, Elifaz, Bildade e Zofar, apresentam sua teologia sobre as calamidades, onde toda calamidade, para eles, tem como causa o pecado de quem a sofre. Mas sabemos que neste caso, Jó não está sofrendo por conta de algum pecado consumado, mas por ser provado pelo próprio Senhor.

Nestes momentos em que somos provados através de uma enfermidade, devemos fazer conforme a orientação de Pedro em sua primeira carta, capítulo 5 e versículo 7: “Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós“. O “lançando” é o mesmo que “jogar algo sobre outra coisa”, e junto com a submissão (v. 5) e a humildade (vv. 5-6), a confiança (v. 7) é a terceira atitude necessária para uma vida cristã vitoriosa.

Enfermidades de origem maligna

Uma outra origem para as enfermidades são as de origem maligna. Nós temos vários casos na Bíblia, vejamos o caso de um menino que sofria com um espírito maligno que o assolava e que foi trazido pelo seu pai para Jesus (Mc 9.17).

Davidson diz: “A ciência moderna teria diagnosticado o caso como de epilepsia. Entretanto, isto não seria incompatível com a declaração de que a doença resultou da presença de um demônio a quem Cristo falou.”

Jesus estava no monte Hermon com três de seus discípulos, enquanto os outros nove estavam em uma disputa com um demônio que violentava um menino surdo e mudo, e que periodicamente sofria ataques epiléticos.

É interessante que, os discípulos não conseguiram expulsar o demônio, mas quando Jesus desceu do monte libertou o menino desta possessão. Talvez a medicina tenha encontrado a solução para a epilepsia, ou pelo menos amenizar o sofrimento de quem possui esta doença, mas quando Jesus libertou o menino mostrou que o problema da possessão sobre esta criança, não era a epilepsia, pois na verdade a epilepsia era uma “máscara” para camuflar a possessão, mas a doença consequente desta possessão era a mudez e a surdez, e quando Jesus expulsou o demônio o menino falou e ouviu.

Podem haver doenças consequentes de uma possessão demoníaca, mas Jesus nos deu poder: “E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas; Pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e os curarão” (Mc 16:17-18).

AS DOENÇAS DA VIDA MODERNA

Depressão

Definitivamente, depressão é uma doença e precisa de tratamento como qualquer outra. E como é uma doença, possui os seus sintomas principais (cp. Veja mais):

  • Perda de energia ou interesse
  • Humor deprimido
  • Dificuldade de concentração
  • Alterações do apetite e do sono
  • Lentificação das atividades físicas e mentais
  • Sentimento de pesar ou fracasso

Segundo o Centro de Estudos em Psicologia “a depressão é uma doença ‘do corpo como um todo’, que compromete seu corpo, humor e pensamento. Ela afeta a forma como você se alimenta e dorme, como se sente em relação a si próprio e como pensa sobre as coisas.”

Segundo o site Escola de Psicologia, “a depressão é causada por uma combinação de fatores biológicos, psicológicos, sociais e ambientais”, e ainda acrescenta, mencionando algumas causas e fatores de risco para a depressão:

  • Solidão
  • Falta de apoio social
  • Recentes experiências de vida stressantes
  • História familiar de depressão
  • Problemas de relacionamento ou conjugal
  • Tensão financeira
  • Trauma ou abuso de infância
  • Uso de álcool ou drogas
  • Situação de desemprego ou o subemprego
  • Problemas de saúde ou de dor crônica

Infelizmente, em nosso meio, sempre existiu a falsa ideia de que crente não sofre ou não pode sofrer de depressão, mas o comentarista da lição deixa claro que isso é possível e nos dá referências bíblicas de crentes que passaram por esta fase depressiva em sua vida; vejamos o caso de Elias.

Elias era homem de oração; orava para que Deus fizesse milagres afim de que o povo de Israel se voltasse para o Senhor. Elias fez cair fogo do céu, fez cessar a chuva por três anos, depois orou e fez chover, e nem mesmo assim o povo se voltou para Jeová. Podemos afirmar, esse era um crente fiel à Deus.

Mas Elias era humano, como qualquer um de nós, e Tiago nos fala da sua falibilidade: “Elias era homem sujeito às mesmas paixões que nós e, orando, pediu que não chovesse e, por três anos e seis meses, não choveu sobre a terra. E orou outra vez, e o céu deu chuva, e a terra produziu o seu fruto” Tg 5:17-18. Elias então se esconde em uma caverna, que podemos conjecturar como a depressão que todos somos passíveis de entrar.

Depressão tem cura: oração e ajuda médica (Mt 9.12).

Síndrome do pânico

… em estudo

As doenças psicossomáticas

… em estudo

O QUE FAZER DIANTE DA DOR E SOFRIMENTO

Não murmurar, confia e esperar: “Entrega o teu caminho ao SENHOR; confia nele, e ele o fará” (Sl 37.5).

 CONCLUSÃO

Não estamos isentos de enfermidades, mas estamos resguardados pela promessa do Senhor: “Estou convosco todos os dias”.