Em Isaías 53.7, temos o seguinte registro: “Ele não abriu a sua boca”. De quanta graça precisamos para receber bem um mal-entendido? Para receber em santa suavidade um mau julgamento? Nada prova tanto o caráter cristão como uma coisa má que é dita contra ele.

É o teste que logo prova se somos banhados a ouro, ou se somos ouro maciço. Se apenas pudéssemos conhecer as bênçãos que estão ocultas em nossas tribulações, diríamos como Davi, quando amaldiçoado por Simei: “Deixai-o, que amaldiçoe, … porventura … o Senhor me pagará com bem a sua maldição deste dia.”

Algumas pessoas facilmente se afastam da grandeza do trabalho de sua vida, para perseguirem seus ofensores e inimigos, e sua vida se torna um insignificante redemoinho de atividades. É como mexer num ninho de vespas. Você pode dispersá-las, mas provavelmente ficará muito picado e nada obterá em troca de suas dores, pois nem o seu mel vale a pena.

Deus nos dê mais do caráter dAquele que, “quando o injuriavam, não injuriava, mas entregava-se àquele que julga justamente”. “Considerai aquele que suportou tais contradições dos pecadores contra si mesmo.” (A. B. Simpson)