Disse mais o filisteu: Hoje desafio as companhias de Israel, dizendo: Dai-me um homem, para que ambos pelejemos. 1 Samuel 17.10

INTRODUÇÃO

O texto nos traz uma pergunta interessante: “Estais preparados?”.

Davi e Golias

Nenhum soldado que se alista no exército sai à batalha sem antes passar por um período de treinamento. Muitas vezes este período é recheado de dores e dissabores, mas as intenções sempre são o preparo do soldado.

Lidar com armas letais, com pressões psicológicas, com pressões físicas fazem parte do treinamento destes soldados, tudo com a intenção de prepará-los para as batalhas.

Como é difícil hoje encontrarmos pessoas verdadeiramente preparadas para a peleja.

A Bíblia nos compara a soldados, soldados do exército de Deus. O apóstolo Paulo já no fim da vida pronunciou uma frase de um verdadeiro guerreiro de Deus: “Porque eu já estou sendo oferecido por aspersão de sacrifício, e o tempo da minha partida está próximo. Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé.

No texto de 1 Samuel 17.10, nós encontramos uma afronta vinda de um único homem, um gigante, desafiando todo o exército do povo de Deus. No meio de tantos soldados fortes e valentes, não havia sequer um preparado para encarar o filisteu.

Este gigante tem desafiado você todos os dias. Este gigante tem humilhado você todos os momentos. Este gigante representa os desafios que você enfrenta todos os dias na sua vida.

O gigante não são as lutas financeiras, não são as lutas sentimentais, mas o gigante maior é sempre de ordem plenamente espiritual, de onde se encontram a causa de todos os outros “gigantezinhos”. Em Efésios 6.12 o apóstolo Paulo expressa assim: “Porque não temos que lutar contra carne e sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.” Nossa maior peleja se encontra na esfera espiritual.

E para esta tão grande peleja, peleja esta que coloca em jogo sua vida, a vida de muitos que você ama, você pode se dizer: “Estou preparado?”.

Mas como então podemos estar preparados para a peleja?

Existe um lugar onde Deus prepara os seus soldados. Não é no palácio, nem no quartel general. Não é na academia militar e nem na polícia federal. Deus trata e prepara os seus soldados no Deserto. Se quiseres estar preparados para a peleja, terá que passar pelo deserto de Deus.

Desertos, geograficamente, são regiões áridas, sem vida, lugar de solidão. Inóspido. As temperaturas oscilam drasticamente, durante o dia chegam à 50° e durante a noite -5°.

Deserto é um lugar de morte, de desespero, onde as víboras aniquilam os poucos que tentam passar por ele.

Deserto é um lugar onde não se tem nada, mas com Deus nunca falta nada.

Mas é no deserto que Deus prepara os seus soldados.

I – JESUS FOI CONDUZIDO AO DESERTO

Na ocasião em que Jesus inicia seu ministério, após trinta anos em oculto, Jesus segue até o rio Jordão, onde João Batista estava pregando e realizando o batismo do arrependimento. João não pesava suas palavras e as mesmas eram muito duras, mas que surtiam os melhores efeitos, pois muitos iam até João para serem batizados.

João quando estava batizando, de repente pára e vê um homem, que até então era desconhecido da multidão, vindo ao seu encontro. No momento, acredito, que a multidão que ali estava para ser batizada, não entende porque João tão repentinamente pára de pregar e de batizar. Ele, calado, com os olhos fitados no Senhor, aponta seu indicador de profeta para o Messias e pronuncia: “Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo“. Jesus entra nas águas sujas do rio Jordão e chega diante de João para que seja batizado. João se acha indigno disso, mas seguindo a ordem do Mestre, imerge Jesus nas águas escuras e no momento em que Jesus sai da água, o céu se abre e uma voz se ouve: “Este é o meu filho amado, em quem me comprazo“.

Deus tinha um propósito, Jesus à partir daquele momento estava entrando em uma guerra, precisava se preparar para o que vinha pela frente. Então, a Bíblia diz, que o Espírito do Senhor levou Jesus ao deserto para ser tentado pelo diabo.

Eu aprendo aqui que este deserto serviu para aprimorar a resistência do Senhor como homem. A Bíblia nos revela que o Senhor jejuou quarenta dias e quarenta noites. Deus conduziu seu filho amado ao deserto, para que entre chacais, hienas, e toda sorte de animais de rapina, solidificasse sua resistência. Mas, como ganhar resistência fazendo jejum? O que Deus pretende com o deserto, é nos garantir resistência espiritual, e não física.

Resistência física se consegue tomando Mega Mass e fazendo academia, puxando muito peso, mas esta resistência não significa nada para o inimigo, com Jesus foi diferente.

Da mesma forma que o primeiro Adão enfrentou a serpente, o segundo agora tinha que enfrentar. No Éden, o primeiro Adão foi vencido e trouxe derrota para toda a humanidade, no deserto, Jesus venceu a serpente, trazendo de volta a vitória para toda a humanidade que crê em Cristo.

O Senhor nos conduz ao deserto para que ganhemos resistência espiritual. Não se conquista isso no Éden, mas no deserto.

II – MOISÉS FOI PREPARADO NO DESERTO

A Bíblia fala de um homem, que ainda criança passou perto da morte. Esta criança ainda com três meses de idade, correndo risco de morte, foi lançado sobre às águas por sua mãe para não ser assassinado. Mas como Deus é perfeito, seu trabalho por nós também o é. Deus conduziu esta criança em segurança até que foi achada pela filha do rei, que logo se apaixonou pelo bebê, e logo em seguida o colocou sob a responsabilidade de sua própria mãe. Esta criança se chama Moisés, que significa, tirando. Bem propício o nome, afinal foi ele mesmo que tirou do Egito todo o povo de Deus. Esta história é bem conhecida do povo de Deus.

Moisés foi adotado pela filha de Faraó, e assim foi educado nas ciências egípcias se tornando um homem muito culto. Supõe-se que Moisés era um homem forte, vigoroso.

Quarenta anos viveu dentro do palácio real, com seu avô. Moisés, havia se tornado alguém auto-suficiente. Moisés, havia se tornado alguém orgulhoso. Mas era ele o escolhido de Deus para conduzir o povo para fora da escravidão. Mas a Palavra de Deus diz que Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes, como usar então Moisés, alguém orgulhoso, prepotente, impulsivo? Mandando o mesmo para o deserto.

Moisés ficou quarenta anos morando no palácio como neto do rei, dispondo-se de tudo do bom e do melhor. Achava que era dono de tudo e todos e suas atitudes nunca teriam conseqüências. Matou um egípcio, intrometeu-se em causa alheia. Depois disso Deus o mandou para o deserto, mesmo assim, no início se mostrou a mesma pessoa, arrumando briga por onde passava. No deserto arrumou briga com alguns pastores. Mas Deus não tinha pressa. Viu Moisés crescer e viver no palácio por quarenta anos. Agora vai tratar com ele no deserto por mais quarenta anos. E passado os quarenta anos, Deus faz a convocação à Moisés.

O chamado de Moisés se deu quando ele estava no deserto pastoreando as ovelhas do seu sogro. Deus chamou a atenção de Moisés através de algo insignificante. Uma sarça pegando fogo. Era natural isso acontecer no deserto, haja vista o calor que é habitual nestas áreas geográficas. Mas existia algo diferente nesta sarça, ela queimava, mas não se consumia, não virava cinzas. Ao que Deus então fala diretamente com Moisés e o convoca para a peleja. Você irá tirar o meu povo da escravidão do Egito.

Moisés responde negativamente ao chamado: “Não sou ninguém”, “não sou capaz”, “Não sei falar”, “Outro pode fazer melhor que eu”. Deus se alegra com a resposta de Moisés. Como assim? Enquanto estava no Egito, não poderia tirar 2 milhões de pessoas de lá, porque ele tentaria fazer isso com sua força. Mas quarenta anos no deserto foram o suficiente para que seu caráter fosse moldado e Deus o lapidasse por completo.

Moisés ficou quarenta anos achando que era alguém, depois mais quarenta anos e descobriu que não era ninguém. Agora Deus diz: “Você agora tem quarenta anos para vislumbrar o que Eu pode fazer com um ninguém”.

III – PAULO PREPAROU-SE NO DESERTO

O apóstolo Paulo foi um personagem que marcou a história da Igreja, talvez o mais relevante após o próprio Cristo. Era um perseguidor voraz e zeloso. Ele não perseguia por ser mal, mas por ser zeloso com aquilo que acreditava. A Bíblia relata que ele esteve no martírio de Estevão. E sempre buscava a prisão dos cristãos.

Paulo era um homem de refinada cultura. Foi educado aos pés de Gamaliel, um dos homens mais sábios que a humanidade já conheceu. Foi educado em toda a religião judaica e era um cumpridor fiel da Lei, ou seja, conhecia toda a Lei. A Bíblia fala que era um fariseu irrepreensível, e só chegava-se a este ponto, quando se realmente cumpria toda a Lei.

Em um dado momento, o Apóstolo, ainda como perseguidor, licenciado por uma carta dada pelo sumo sacerdote, desce à estrada de Damasco à fim de buscar alguns cristãos que lá estavam, talvez foram para lá após a perseguição em Jerusalém. Mas algo aconteceu antes mesmo da chegada em Damasco. Saulo teve um encontro que mudaria a sua vida. Saulo acreditava que Jesus estava morto, mas descobriu que o mesmo estava vivo. Saulo vai à lona após o encontro do o Cristo Ressurreto.

Aquele homem cheio de sabedoria, homem com dupla cidadania, fariseu irrepreensível, indicado por Gamaliel, agora se vê diante do maior dilema de sua vida. Talvez ele diria: “Durante todo o tempo que estes cristãos começaram a proclamar a sua mensagem, eu fui um voraz perseguidor, pois não acreditava que um maldito, falando de Jesus porque morreu na cruz, poderia ser o Messias. Mas agora descobri que ele não está morto, mas vive, o que eu faço agora?”.

Deus havia escolhido alguém que nenhum de nós escolheríamos, por isso que a Bíblia diz que “…Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes. E Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são para aniquilar as que são; para que nenhuma carne se glorie perante ele.”

O vaso, mesmo que estando na lama, espiritualmente na lama, continua vaso, e Paulo era um vaso escolhido.

Paulo, agora sabendo qual a sua missão começa a colocar em prática o seu chamado, certo? Não. Sendo um conhecedor inesgotável da Lei, homem de fama e poder, não usou absolutamente nada do que sabia. Ele sentiu que precisava do mesmo tempo que os discípulos tiveram de preparação, antes de começar a fazer o que Jesus o legou.

Paulo foi para o deserto. O deserto da Arábia. Foram três longos anos, onde ele teve que se desfazer de seus conceitos, crenças, religião, para atender somente a vontade daquele que o chamou. Como é lindo o trabalhar de Deus, Deus honrou o propósito de Paulo, e no deserto lhe revelou maravilhas que à homem nenhum foi revelado.

Paulo sabia da peleja que teria à frente, não com os perseguidores, mas com os dogmáticos cristãos, com os “fariseus” cristãos, e ele precisava deste preparo a sós com o Mestre.

Para você estar preparado para a missão, lembre-se primeiro de buscar o deserto. Muitos querem aceitar a cristo hoje, e ser um pastor amanhã. Crêem no Deus vivo hoje, já são apóstolos amanhã. Não existe gente preparada para a peleja se não tiver o diploma da escola do Senhor. Onde fica esta escola? No deserto.

IV – DAVI FOI EXPERIMENTADO NO DESERTO

Ainda pequeno, jovem, Davi foi comissionado pelo pai para cuidar de suas ovelhas.

Enquanto Davi pastoreava, o exército de Deus era humilhado. Um filisteu, gigante, afrontava todo o exército. Pensem, durante quarenta dias o exército de Deus estava parado, estático e sem reação sob às afrontas do grande filisteu, enquanto isso, Davi estava pastoreando às ovelhas do seu pai.

Passados estes quarenta dias, Jessé chama seu filho Davi e lhe dá a responsabiliade de levar mantimento aos seus irmãos que estavam na peleja. Davi, como um filho obediente, atende prontamente a missão que seu pai o havia impetrado. Imagino Jessé falando com Davi: “Filho, pega este queijo, este pão e este leite, e leva para os seus irmãos que estão na batalha. Entregue o mantimento e volte correndo, não fique lá, é perigoso”.

Davi então chega ao campo de batalha e vê uma cena que não o agradou. Um exército inteiro parado diante de um único homem. Este gigante não pedia muito, pedia apenas alguém preparado para lutar contra ele.

Como Deus é lindo, atendeu a oração até do gigante, e enviou alguém preparado.

Davi começou a perguntar o que estava acontecendo, ao que seu irmão lhe respondeu: “…Por que desceste aqui? E a quem deixaste aquelas poucas ovelhas no deserto?

Davi pastoreava onde irmão? No deserto. Foi lá que Deus o treinou para esta grande peleja.

Davi ouvindo a afronta do gigante decide lutar contra ele, talvez tenha dito: “Ele quer alguém preparado? Deus enviou”.

Enquanto o exército olhava e via um gigante, Davi enxergava só a testa, e dizia: “Não vou errar, não vou errar, esta testa é muito grande”. Ele fala com o rei que vai lutar, imaginem todos ali rindo: “Este pirralho vai lutar contra o gigante? Vai virar cinzas.”.

Então Davi diz como Deus o preparou para a peleja lá no deserto: “Matei leão e urso para defender as ovelhas do meu pai”. E quem é este incircunciso?“, Davi não via o gigante como o exército via, mas via alguém que não tinha pacto com Deus e então pensou: “Eu tenho uma aliança com Deus, e este ai não tem, vai ser moleza.”.

Davi era valente e preparado, porque passou pelo Deserto, passou pela escola de Deus.

CONCLUSÃO

Se você está se sentindo em um grande deserto, em uma vida de grandes provas, não desanime, isso pode ser Deus preparando você pra uma grande vitória!