Romanos é a carta mais teológica do NT; carta onde o apóstolo trata de assuntos sistematicamente pertinentes à Igreja do Senhor.

O tema central de romanos se encontra nos versículos 16 e 17 do capítulo 1 da mesma carta:

Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego. Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá da fé.

Foi no versículo 17 que Lutero, subindo as escadarias de Roma, descobriu como tirar o fardo pesadíssimo de suas costas tentando alcançar a salvação através das suas próprias forças. Descobriu que o justo viveria pela fé e não por vista.

Quebrando as correntes da acusação

Leiamos Romanos 8.1:

Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito.

O versículo não diz que não haveria nenhum erro, ou nenhum fracasso, ou nenhum pecado. Mesmo porque cristãos também erram, também fracassam e também pecam. Abraão mentiu, Davi adulterou e Pedro quase matou com sua espada. Eles não ficaram imunes às conseqüências dos seus erros, mas uma coisa é certa: nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus.

A Bíblia diz que todo o crê não é condenado, mas o que não crê já está condenado.

Condenado porque existe alguém que o acuse, e sempre haverá um acusador. O acusador desde o princípio é satanás, que tem acusado os irmãos, conforme está escrito em Ap 12.10.

Se você está em Cristo Jesus, isso não faz de você um ser perfeito e que não erra. Podem te acusar, apontar o dedo, te humilhar, te colocar no mais baixo nível.

Talvez você tenha sido acusado de erros que não tenha cometido ou acusado de males que realmente tenha realizado, mas uma coisa é certa, não poderão te condenar, tua vida está nas mãos do Justo Juiz e nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. Você está em Cristo?

Mas o que é estar em Cristo Jesus? O versículo lido nos dá a resposta: andar segundo o Espírito e não segundo a carne. Paulo em gálatas explica melhor sobre isto: é como uma guerra em que a carne e o Espírito lutam sem cessar.

Todo homem precisa de alimento, o físico precisa de alimentos materiais, já o homem espiritual precisa alimentar-se espiritualmente. Isto me faz lembrar de um índio convertido.

Ele explicando sobre as duas naturezas que vivem em nós, dizia que dentro de si era como se houvessem dois cães bravos que viviam brigando. Perguntaram então a ele qual dos dois cães vencia a luta, ao que ele respondeu: Depende. Ficaram curiosos e refizeram a pergunta: Depende de que? Ele respondeu: depende de qual deles eu alimento mais.

Jesus é o pão da vida, estar em Cristo é se alimentar dele espiritualmente todos os dias.

Na biografia de Lutero, existe uma história que é interessante. Conta-se que o acusador, o mesmo que tem te acusado, o inimigo de nossas almas, e quero abrir aspas aqui, que tem muitos irmãos que tem sido usado por este acusador, fazendo o trabalho dele: acusando.

Este acusador se colocou frente-a-frente com Lutero e pediu para que ele pegasse um papel e uma caneta de pena e escrevesse tudo o que satanás ia ditando; satanás ia acusando Lutero de vários erros e pecados que ele havia cometido, isso deu frente e verso da sua folha ao que Lutero perguntou à satanás: Acabou? Não tem mais nada do que me acusar? Satanás disse que não, então Lutero diz pra ele assim: você se esqueceu de me pedir pra escrever algo, e satanás perguntou o que: “Que o sangue de Jesus me purifica de todo o pecado”. Nenhuma condenação há pra mim, pois estou em Cristo Jesus.

Querido leitor, não sei como você se encontra neste momento. Não sei como você tem vivido sua vida de fé. Mas sei que tens sofrido grandes acusações, que tens padecido por palavras que tem te deixado entristecido, não se importe, lembre que você está em Cristo e que nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus.

Aqueles que te acusam se esquecem de que o preço da sua alma é o mesmo da alma deles. O mesmo sangue que foi vertido na cruz por eles é o mesmo que foi vertido por você. Somos iguais, não há diferença.

Lembro-me da história de uma mulher que foi apresentada a Jesus. Em João 8 a Bíblia fala de uma mulher que foi pega em adultério. Este fato na realidade foi uma tentativa dos líderes religiosos de acusarem Jesus de não obedecer a lei ou de acusarem Jesus de não ser amigo dos publicanos e pecadores.

A Festa dos Tabernáculos havia terminado, mas Jesus aproveitou para ensinar aos peregrinos no templo. Reflitam comigo, dificilmente um casal era pego no ato de adultério. Imaginemos então que o homem, que não foi apresentado e nem acusado e de acordo com a lei (Lv 20.10 e Dt 22.22), fazia parte da conspiração. Os escribas e fariseus interromperam Jesus e empurraram violentamente a mulher para o meio do povo. É interessante como os acusadores gostam de humilhar as pessoas.

Ao invés de julgar a mulher, Jesus julgou os “juízes”. Não sabemos o que Ele escrevia na areia do chão do templo. Será que estava lembrando os religiosos que os 10 mandamentos foram escritos pelo dedo de Deus e ele era Deus? Ou estava lembrando-os da advertência de Jr 17.13? Não importa o que Jesus estava escrevendo, o importante é o que Ele ensina aqui: “Quem não tiver pecados que atire a primeira pedra”. Na lei judaica, os acusadores deveriam atirar as primeiras pedras (Dt 17.7). Jesus não pediu para que condenassem e julgassem a mulher, mas para que atirassem as pedras. Condenados pelas próprias consciências os acusadores saíram de cena em silêncio deixando Jesus e a mulher a sós. Jesus perguntou à mulher: Onde estão os teus acusadores? Ele a perdoou e a advertiu a que não pecasse mais (Jo 5.14).

Responda-me você: Onde estão os teus acusadores?