Gênesis

Qual foi a marca de Caim ?

Em Gn 4.15-16, a Bíblia fala que Deus colocou uma marca em Caim. Esta marca tem gerado muitas controvérsias e muitas discussões. Mas qual foi realmente a marca de Caim?

Em um fórum com alguns amigos, chegamos à alguns pensamentos.

Caim e Abel

Ao expor seu pensamento, o Pr. Douglas Quintanilha afirma que Deus colocou um sinal em Caim com uma finalidade exclusiva: ele não ser morto. Ele entende que isso nada mais é, que Deus, mais uma vez, anuncia ao mundo que ele garante a vida. Esse sinal, seja lá qual for, não pode ser de discriminação para morte ou diminuição, pois servia exatamente para o fim oposto, e portanto, mais um prenúncio da vinda de Jesus como Salvador. Ele conclui dizendo que mesmo Caim sabendo que o homicida deveria morrer, pede socorro e Deus responde, colocando a marca nele. E nós também temos uma marca, a de Cristo. Mas o Pr. Quintanilha reitera que jamais saberemos, fisicamente, qual foi a marca de Caim.

Já o nosso amado irmão em Cristo, Misael Botelho, compartilha do mesmo pensamento do Pr. Quintanilha e acrescenta que a natureza do sinal em Caim tem sido um assunto de muito debate e especulação. A palavra hebraica traduzida como “sinal” é ‘oth e se refere a uma “marca, sinal ou símbolo” em outros lugares nas Escrituras Hebraicas; ‘oth é usado 79 vezes e é mais frequentemente traduzida como “sinal”. Assim, a palavra hebraica não identifica a natureza exata do sinal que Deus colocou em Caim. O que quer que tenha sido, era um sinal/indicador de que Caim não poderia ser morto. Alguns propõem que a marca era uma cicatriz ou algum tipo de tatuagem. Seja qual for o caso, a natureza exata da marca não é o foco da passagem. O foco é que Deus não permitiria que as pessoas se vingassem contra Caim. Qualquer que tenha sido esse sinal, o seu propósito foi alcançado.

Botelho continua dizendo que no passado, muitos acreditavam que o sinal em Caim era uma pele escura – que Deus mudou a cor da pele de Caim para preta a fim de identificá-lo. Já que Caim também recebeu uma maldição, a crença de que a marca era a pele negra levou muitos a acreditar que as pessoas de pele escura eram amaldiçoadas. Muitos usaram esse ensinamento da “marca de Caim” como justificativa para o comércio africano de escravos e a discriminação contra as pessoas de pele preta/escura. Esta interpretação da marca de Caim é completamente herética e antibíblica. Em nenhum lugar da Bíblia hebraica ‘oth é usado para se referir à cor da pele.

Nosso irmão Maciel Souza, compartilhando da exposição de Misael Botelho, afirma que pele escura é a interpretação mais conhecida sobre esta marca, mas acrescenta que muitos outros argumentos foram levantados, como por exemplo, o nome do pecado ter sido colocado na testa de Caim, e argumenta que não acredita em nenhuma destas hipóteses, pois também pensa que a garantia da vida de Caim é o mais importante.

Eu, Daniel Cochoni, coloquei a seguinte opinião:

Segundo o Midrash (método de interpretação judaica), em um diálogo entre Deus e Caim, o Senhor diz: “Vou protegê-lo, colocarei em sua testa O Meu Nome. Quando os animais o virem, ficarão com medo e não o atacarão.” Os descendentes de Caim foram maus; e não sobraram nenhum, todos morreram mais tarde no Dilúvio.

É claro que não podemos afirmar com certeza, qual era o sinal “colocado” ou “revelado” à Caim que pudesse assegurá-lo que ninguém o mataria, caso o encontrasse. É tão complicado afirmar qual era este sinal que temos inúmeras conjecturas:

– Alguns dizem que ficou paralítico. Surgiu com a versão da Septuaginta que traz o texto: “gemendo e tremendo serás“;

– A tradição árabe diz que ele não poderia ser morto porque a espada não o perfuraria, o fogo não poderia queimá-lo, a água não poderia afogá-lo, o ar não poderia explodí-lo, e nem os trovões e relâmpagos poderiam tocá-lo;

– O autor do Bereshith Rabba diz que foi um círculo do sol nascente sobre ele;

– Abravanel diz que o sinal era o cachorro de Abel, que constantemente o acompanhava, e agora acompanharia Caim por todas as suas viagens;

– Os doutores do Talmude afirmam que foi a letra Tau marcada em sua testa, pois esta letra é a primeira da palavra “teshuvá” (arrependimento);

– O Rabino Joseph diz que cresceu um chifre no meio de sua testa;

– Alguns ainda dizem que uma lepra desenvolveu-se em seu rosto;

– Outros ainda afirmam que o sinal foi seu corpo se tornar todo trêmulo, como quem tivesse mal de Parkinson.

O mais interessante, é que o termo “sinal” (‘oth) pode não ter sido “colocado”, mas sim “mostrado, revelado” à Caim. Conforme diz Aben Ezra, escritor judeu da idade média, Deus operou um sinal diante de Caim, para demonstrar à ele que a Palavra do Senhor se cumpriria e que ele poderia confiar em Deus.

Para isso, podemos nos basear justamente no termo “‘oth” (sinal), que é o mesmo utilizado por Moisés para falar do “sinal” dado à Noé de que todas as vezes que ele se desesperasse pensando que o mundo seria novamente destruído, ele olharia para o “sinal” do arco e lembraria da promessa divina.

Assim como foi com Noé, o sinal era á marca da aliança, pode ter sido com Caim, um sinal da segurança, e é conosco: quando olhamos para o sinal (o sangue), lembramos da promessa de que temos uma vida eterna nos esperando.

1 Comment

  1. Pb. Léo-junior

    Gostaria de ressaltar um ponto chave no contexto.
    A importância de vermos um exemplo nesta passagem que é a de não matarmos nossos irmãos quando eles pecam contra Deus. Ninguém pode matar Caims. Mas, porque a igreja não aprende estas coisas? Sempre condenando, julgando, sentenciando e matando. Como já dizia alguém que o relatório das hostes infernais a Satanás é: Hoje está muito fácil chefe a gente vai lá é só dá um tapa e os próprios supostos irmãos acaba de matar.

deixe um comentário