em Antigo Testamento, Apologético, Controvérsias, Estudo Bíblico, Gênesis, Pentateuco

Quantos deuses existem em Gênesis 1.26?

Talvez Gênesis 1.26 seja contraditório para àqueles que não entendem, simplesmente por uma insuficiência hermenêutica que poderá levantar a hipótese de mais de um Deus.

Mas será que isso é uma dificuldade bíblica ou apenas uma limitação no entendimento da questão? É exatamente isso que veremos neste artigo.

Cosmo criado por Deus
Cosmo criado por Deus

Introdução

A Bíblia ensina categoricamente que existe apenas um Deus verdadeiro (Isaías 43.10), porém, em várias outras partes a Bíblia menciona outros deuses como Adrameleque e Anameleque (2 Reis 17.31), Baal e Asera (1 Reis 18.19), Dagom (1 Samuel 5.2), Moloque (Levítico 18.21) entre outros.

Em nenhum momento isso torna-se em uma contradição, pois quando faz menção de outros deuses, está se referindo à “falsos deuses” (Gálatas 4.8). Portanto, a questão não é a quantidade, mas a veracidade: verdadeiro Deus, somente um (Deuteronômio 6.4).

Problema

No entanto, existe um problema para muitos que leem a Bíblia e desavisadamente se deparam com textos como:

E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra.

Gênesis 1:26

Então disse o Senhor Deus: Eis que o homem é como um de nós, sabendo o bem e o mal; ora, para que não estenda a sua mão, e tome também da árvore da vida, e coma e viva eternamente,

Gênesis 3:22

Eia, desçamos e confundamos ali a sua língua, para que não entenda um a língua do outro.

Gênesis 11:7

Porque, ainda que haja também alguns que se chamem deuses, quer no céu quer na terra (como há muitos deuses e muitos senhores),

1 Coríntios 8:5

E três são os que testificam na terra: o Espírito, e a água e o sangue; e estes três concordam num.

1 João 5:8

Há àqueles que tentam explicar que o texto em questão (Gênesis 1.26) refere-se à Deus falando com os anjos (clique aqui e estude sobre os anjos), o que não tem amparo bíblico, visto que Gênesis 1.27 conclui dizendo que “à imagem de Deus o criou“.

Outros afirmam que Deus no plural apenas por uma figura de linguagem, o que também não se sustenta na Bíblia.

Qual é a resposta então?

Solução

Estes textos em nenhum momento se contradizem com a doutrina bíblica cristã, na realidade, só reforçam, dando pistas e evidências para a doutrina trinitariana ou da trindade (Leia mais).

O texto de Gênesis 1.26 trata a Deus no plural (‘Elohin), assim como em outros textos, por isso a concordância do “façamos“. Ou seja, o termo ‘Elohin é plural, e por uma questão gramatical, é utilizado o “fazer” também no plural.

No entanto, o fato do substantivo “Deus” ser plural, não significa que haja mais de um Deus sendo referido, é apenas uma maneira honrosa e majestosa de mencionar a Deus.

Isso pode ser explicado, por exemplo, quando em 1 Reis 1.11 Davi é chamado de senhor e este termo hebraico está no plural (outros textos que fazem da mesma forma Isaías 1.3; 19;4). Michael Brown explica:

Era comum para se referir à divindade no plural composto, e quando se fala de um proprietário ou de mestre, essa muitas vezes era a regra para falar dele em tais termos.

Respondendo às objeções judaicas a Jesus: objeções teológicas . Vol. 2. Grand Rapids, MI: Baker, 2003. 9

Outrossim, a doutrina da trindade, apesar de não estar explicitamente declarada na Bíblia, é vista por toda ela, tendo no texto em questão uma das suas mais poderosas evidências.

O contexto de Gênesis 1.26, indica um diálogo interpessoal divino que necessita de uma unidade de Pessoas na Deidade.

Análise Doutrinária Textual

Algumas evidências no Antigo Testamento corroboram com o texto, como por exemplo, os textos onde aparecem o “anjo do SENHOR” (hb. Yahweh). Este anjo é distinguido de outros anjos, é pessoalmente identificado como Deus, mas ao mesmo tempo distinto dEle (Gênesis 16.7-13; 18.1-21; 19.1-28).

Em Isaías 48.16; 61.1 e 63.910 o Messias fala. Veja que interessante, em uma ocasião Ele se identifica com Deus e o Espírito, mas em outra continua falando na primeira pessoa, mas distinguindo-se deste mesmo Deus e Espírito.

Já no Novo Testamento, as evidências da trindade são ainda mais contundentes.

O apóstolo João inicia seu evangelho com uma revelação:

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus

João 1.1

O evangelista revela-nos que o Verbo entrou na história como Jesus de Nazaré, sendo Ele o único Deus que está ao lado do Pai. João em Apocalipse continua com sua doutrina afirmando que o Pai criou todas as coisas por meio de Jesus (Apocalipse 3.14) e que o Pai e Jesus são um (João 10.30).

Paulo também assevera seu consentimento à doutrina ao se referir a Jesus afirmando que tudo o que pode ser dito do Filho também pode ser dito do Pai (Colossenses 2.9).

Quanto ao Espírito Santo, Jesus disse:

E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre

João 14.16

Quando o Espírito Santo é mencionado aqui, o termo utilizado é “allon parakleton“, que significa “do mesmo tipo que Ele mesmo”, ou seja, que tudo o que pode ser afirmado da sua natureza e da natureza do Pai, pode ser falado da natureza do Espírito.

Conclusão

Sendo assim, a pluralidade do termo façamos pode ser solucionada pelas seguintes argumentações:

  • Por uma questão de concordância gramatical;
  • Por uma iniciação da doutrina da trindade;

Escreva um comentário

Comentário